Política

24/07/2019 08:38

EMPRÉSTIMO DE BARRACAS

Vice-prefeito Beto Albuquerque pode sofrer impeachment em Rio Negrinho

Christian Hacke / Jornal A Gazeta / Arquivo

Beto diz que está tranquilo e que não cometei irregularidades

Christian Hacke - christian@gazetasbs.com.br

Rio Negrinho

Os vereadores que integram a Comissão Especial de Inquérito, criada em março deste ano para apurar o empréstimo de barracas da agricultura familiar pelo então secretário de Agricultura, o vice-prefeito Roberto Albuquerque, divulgou o relatório final na noite desta segunda-feira (22) e apontou as irregularidades causadas por Beto e outra servidora. O pedido de investigação partiu do Ministério Público à Prefeitura. Agora, o relatório segue para apreciação do MP. Se houver a denúncia pelo órgão, Beto pode ser afastado do cargo de vice-prefeito.

Na época, uma das barracas, de uso da Agricultura Familiar, foi emprestada para o filho da ex-comissionada Núbia Laffaiete, durante as festividades do Natal Encantado e utilizada na venda de comidas e bebidas. A montagem também ocorreu por funcionários da pasta. Núbia, que era chefe na Secretaria de Agricultura, foi exonerada no final de 2017. O termo de empréstimo é assinado apenas pelos favorecidos. Em ofício assinado e enviado por Albuquerque consta que os empréstimos são de responsabilidade dele próprio. 

Concluído o relatório da Comissão Especial de Inquérito, o documento segue com cópias para o Ministério Público e Prefeitura de Rio Negrinho juntamente com a ata da sessão desta segunda-feira, onde foi lido o relatório. Caberá ao Ministério Público, com base no inquérito, verificar se houve ou não ato de improbidade administrativa. Caso confirmado, abre-se uma Ação Civil Pública pela improbidade. Constatadas as irregularidades, a Câmara de Vereadores pode ou não fazer o pedido de impeachment do vice-prefeito.
 

O que diz o vice-prefeito

Beto comentou que teve acesso ao relatório na segunda-feira e disse já sabia que a situação iria parar no Ministério Público. "Houve uma provocação do prefeito ao promotor, e o promotor pediu essa explicação. A Câmara fez toda essa comissão, ouviram 22 testemunhas e nenhuma delas me incriminou. Eu não emprestei barraca pra ninguém, quem emprestou foi a chefe de divisão", disse o vice-prefeito.

Albuquerque afirmou que está tranquilo e sem receios do processo. "Se eles imaginam que isso vai me deixar inviável para eleição do ano que vem, se enganam, redondamente. Vamos ver o que o Ministério Público diz. Não houve dano ao erário, não sumiu barraca alguma, estou bem tranquilo. Não esperava diferente de uma Câmara com membros que precisam votar como o prefeito manda porque se não perdem a cadeira", alfinetou.

Confira todos os detalhes do caso no jornal impresso desta quarta-feira (24).

Todos os direitos reservados para A Gazeta. Reprodução sem autorização é proibida.

Ajude-nos a manter um jornalismo sério e com credibilidade. Textos e fotos estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Se quiser repassar a notícia, compartilhe o link.