Geral

02/08/2019 10:40

LEGISLATIVO

Vereador fala sobre soluções para castrar animais carentes em São Bento

Arquivo / A Gazeta

Marco Redlich discutiu o tema durante sessão da Câmara nesta semana

Da redação - editoria@gazetasbs.com.br
São Bento do Sul

Na sessão de segunda-feira (29) da Câmara de Vereadores, Marco Redlich (PP) apresentou uma indicação à Prefeitura e falou sobre a necessidade de se intensificar as ações de castração de cães e gatos em São Bento do Sul. Para o vereador, uma alternativa será firmar parceria para trazer à cidade o Castramóvel, que são unidades montadas em ônibus ou caminhões com equipe veterinária para fazer os procedimentos em diversos animais ao mesmo tempo.

Conforme Redlich, é preciso que sejam tomadas atitudes para evitar a proliferação dos animais de rua, e em sua avaliação, a castração é o melhor do métodos, pois não só atenderia aos animais de rua, mas também os de famílias de baixa renda. O pedido foi encaminhado à Prefeitura que agora poderá analisar se atende ou não à solicitação.

Há alguns dias, quando foi aprovado repasse de R$ 5 mil para a Associação de Proteção aos Animais (APA), o tema chegou a ser bastante discutido, e Redlich destacou, na época, que a Prefeitura tem realizado 600 castrações ao ano, mas a lista ainda é grande e o trabalho é intenso. Além disso, um dia por semana é destinado a atender os animais indicados pela APA.

Entidades
Também está mais do que na hora de se criar uma política séria para controle da população animal e qualidade de vida dos bichinhos. Já que a Prefeitura não tem estrutura, deveria incentivar mais entidades como a APA, Galera do Bem, Totó Miau, e ações como a desenvolvida pela Theodora, que apesar de simples, juntando tampinhas, traz muitos resultados positivos. Não é com apenas R$ 5 mil por ano para a APA que se pode considerar isso uma campanha séria. É preciso muito mais.

Não só aqui
Lembrando que em Rio Negrinho também existem entidades voluntárias, como o Grupra, o Povo de Assis, e mais recentemente, os Amigos das Quatro Patas, entre tantas outras pessoas que adotam ou cuidam dos bichos abandonados, como comerciantes que colocam casinhas e potes de ração em seus estabelecimentos. Mas o que se vê é falta de atuação mais firme do poder público também para coibir estas práticas. A Prefeitura rio-negrinhense pouco faz neste sentido.

A informação foi publicada na coluna Panorama Político desta sexta-feira (2).

Comentários

Gostaria de deixar uma sugestão. Entrem em contato com a UNOSOCIESC, que acredito atraves do curso de MEDICINA VETERINARIA em parceria com o municipio, para treinamento dos alunos seria um meio de viabilizar algo nesse sentido.
udo weihermann 05/08/2019 17:23
 
Deixe seu comentário

+ sobre Geral

Leia mais...

Todos os direitos reservados para A Gazeta. Reprodução sem autorização é proibida.

A Gazeta - Rua Mal. Floriano, 22 - Centro - São Bento do Sul/SC - Telefone (47) 3203-0022