Geral

11/09/2020 08:55

SETEMBRO AMARELO

Psicóloga comenta a importância do equilíbrio emocional para a saúde

DIVULGAÇÃO

Madga lembra que precisamos falar sobre sentimentos

Christian Hacke - christian@gazetasbs.com.br

Rio Negrinho

As emoções e a saúde mental. Esse é o tema proposto pela psicóloga Magda Linzmeyer, de Rio Negrinho, como instrução para a sociedade. Hoje, em tempos de pandemia e com a campanha do Setembro Amarelo, é imprescindível falar em saúde mental e em como as emoções impactam na vida das pessoas.

Magda atenta que dias bons e ruins, todos têm. "Porém, quando adotamos uma visão negativa do mundo, a tendência é que ele se torne mais negativo. Quando assumimos uma postura mais positiva, as coisas ao nosso redor se parecem mais positivas", ressaltou.

Porém, isso não quer dizer que a vida será feita apenas de coisas boas o tempo todo. "O que muda é a maneira como encaramos as coisas ruins que nos acontecem; quando, ainda que, passando por situações desagradáveis, conseguimos perceber mais motivos para agradecer do que para lamentar", explica a psicóloga.

No entanto, segundo ela, para além de uma visão positiva ou negativa do mundo, é preciso falar de uma visão real, que condiz com a realidade de cada um. Sem "catastrofizar" ou superestimar uma situação. "Por vezes, nos sentimos tristes ou com raiva, e está tudo bem, por mais que sejam emoções ruins de sentir. Em outras ocasiões, vivenciamos a alegria e a felicidade, e é um prazer experimentá-las, pois são emoções boas de sentir. Todas essas emoções fazem parte da nossa existência enquanto seres humanos. Se permita vivê-las, buscando um equilíbrio emocional saudável", ressaltou.

Isolamento
Um dos períodos mais difíceis neste ano está sendo o isolamento social, por conta da pandemia. Com uma rotina pouco variada, as pessoas sentem-se sozinhas, sem poder confraternizar com amigos e demais familiares.

Sobre essa situação, a psicóloga enfatiza a importância do diálogo. "Durante o isolamento, é natural que a tristeza, o medo, a angústia, a irritação ou a solidão se façam mais presentes. Se você estiver vivenciando esses sentimentos em excesso, converse com alguém de sua confiança e compartilhe o seu sofrimento. Se sentir necessidade, procure um profissional de saúde mental, como um psicólogo, para lhe ajudar. Você não está sozinho! Falar é a melhor solução!", concluiu Magda.

O que me faz feliz?
Neste mês, A Gazeta está realizando a campanha “O que me faz feliz?”, alusiva ao Setembro Amarelo, mês conhecido pela prevenção contra o suicídio. O objetivo é fazer com que a comunidade reflita e veja a saúde mental de outra forma, sem tabus, julgamentos ou qualquer reserva.

Todos os direitos reservados para A Gazeta. Reprodução sem autorização é proibida.

Ajude-nos a manter um jornalismo sério e com credibilidade. Textos e fotos estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Se quiser repassar a notícia, compartilhe o link.