Geral

29/07/2020 12:34

SAÚDE EM ALERTA

Planalto Norte é classificado como região em estado gravíssimo pela Covid-19

REPRODUÇÃO

Dimensão do isolamento social é a que mais chama atenção

André Lima - andre@gazetasbs.com.br

Região

Em uma semana, o Planalto Norte Catarinense subiu de risco grave para situação gravíssima, de acordo com a matriz de avaliação de risco regionalizada de enfrentamento ao novo coronavírus. A classificação é medida pelo governo estadual em sua plataforma de acompanhamento da evolução dos casos de coronavírus em Santa Catarina. O monitoramento é semanal, e a divulgação da classificação das regiões ocorre às quartas-feiras.

A Avaliação leva em consideração quatro dimensões de prioridade, que ganham as mesmas classificações de risco. A dimensão de prioridade com maior risco no Planalto Norte está no isolamento domiciliar que está em situação gravíssima, seguida pela dimensão de testagem e isolamento de casos e ampliação de leitos, que continuam em risco grave. O Planalto Norte também é a única região catarinense que mantém risco grave na dimensão de reorganização de fluxos assistenciais.

Com o aumento do número de casos, o governo tem solicitado às prefeituras para que criem mecanismos para frear a curva e reduzir ao máximo o contágio. Reflexo disso está nos decretos emitidos recentemente pelas prefeituras de São Bento do Sul, Rio Negrinho e Campo Alegre. As cidades têm registrado novos casos de Covid-19 praticamente todos os dias, e com isso também se eleva o número de ocupação dos leitos de enfermaria e de UTI do Hospital e Maternidade Sagrada Família.

Com a mudança no patamar, novas ações deverão ser tomadas pelos prefeitos das cidades da região. Por conta disso, os secretários de Saúde se reúnem nesta quarta-feira (29) para discutir as medidas de enfrentamento ao novo coronavírus e, nesta quinta-feira (30), o Comitê de Crise de São Bento do Sul se reúne de forma extraordinária para debater uma possível solução.

Sobre a medição
A ferramenta de gestão da saúde foi criada em março por meio do Centro de Operações de Emergência em Saúde (COES) para enfrentamento do coronavírus em Santa Catarina. O grupo de trabalho está sediado no Centro Integrado de Gestão de Riscos e Desastres (Cigerd), na Defesa Civil, em Florianópolis e faz o mapeamento das áreas de risco, além de elaborar planos de preparação e resposta ao coronavírus no Estado.

Medidas de prevenção

Medidas para a sociedade em geral:

  • Higienizar as mãos com frequência
  • Adotar como prática a etiqueta da tosse.
  • Evitar viajar e realizar comemorações com a presença de pessoas que não residem em sua casa.
  • Ficar em casa a maior parte do tempo.
  • Ingerir bastante água e se alimentar de forma saudável.
  • Manter distância de 1,5 metros de outras pessoas.
  • Não participar ou frequentar locais em que possa haver aglomeração de pessoas.
  • Priorizar serviços de delivery.
  • Quando possível adiar consultas, exames médicos, cirurgias e outros procedimentos que possam provocar dano a saúde e a ida a locais onde há pessoas potencialmente doentes.
  • Utilizar máscara em espaços públicos e espaços privados compartilhados.
  • Não frequentar locais que não sigam as recomendação e adequações necessárias para minimizar a transmissão do coronavírus.

Medidas para o setor privado:

  • Adaptar seu funcionamento para manter o distanciamento de 1,5m entre as pessoas, sanitização de ambientes e higienização.
  • Adequar o funcionamento de atividades essenciais com a menor quantidade de pessoas possível.
  • Adotar regimes de escala, rodízio e/ou novos turnos de trabalho com redução do número de trabalhadores presentes ao mesmo tempo no ambiente de atividades essenciais.
  • Afastar colaboradores confirmados ou suspeitos de COVID-19.
  • Afastar trabalhadores que pertençam aos grupos de risco: idosos, diabéticos, hipertensos, pessoas com insuficiência renal crônica, doenças respiratórias crônicas, doenças cardiovasculares, gestantes e imunodeprimidos.
  • Apresentar informativo visível das normas de funcionamento do local para a prevenção de contaminação com COVID-19.
  • Disponibilizar pias com água e sabão ou álcool 70% para higienização das mãos de funcionários e clientes nas atividades essenciais.
  • Higienizar com frequência equipamentos e utensílios com álcool 70% ou preparações antissépticas respeitando as características do produto nas atividades essenciais.
  • Intensificar higienização dos ambientes com preparações antissépticas ou sanitizantes de efeito similar nas atividades essenciais.
  • Monitorar temperatura corporal de funcionários e clientes e evitar a permanência no ambiente de pessoas com temperatura acima de 37,5º.
  • Priorizar a ventilação natural dos ambientes nas atividades essenciais.
  • Procurar testar regularmente colaboradores.
  • Uso de máscaras pelos funcionários de atividades essenciais durante todo o período de funcionamento.

Medidas para a gestão pública:

  • Adotar controle de pontos de entrada e saída da região.
  • Adotar critérios técnico-científicos para autorizar ou suspender atividades que acarretem em incremento do risco sanitário à sua população.
  • Afastar colaboradores confirmados ou suspeitos de COVID-19.
  • Avaliar o risco x benefício da atividade para autorizar o funcionamento no seu território.
  • Desestimular e usar de meios para diminuir qualquer atividade que acarrete em aglomeração de pessoas.
  • Fiscalizar os estabelecimentos quanto ao cumprimento de medidas e diretrizes para adequação das atividades de modo a evitar a disseminação do COVID-19.
  • Suspender as atividades que apresentem maior risco para disseminação da COVID-19 por um período de 14 dias.
  • Veicular informação sobre prevenção e cuidados relacionados ao COVID-19.

Todos os direitos reservados para A Gazeta. Reprodução sem autorização é proibida.

Ajude-nos a manter um jornalismo sério e com credibilidade. Textos e fotos estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Se quiser repassar a notícia, compartilhe o link.