Geral

01/11/2019 09:02

CRIME AMBIENTAL

Multa de até R$ 100 mil por pescar dourado antes do fim de fevereiro

Divulgação

Peixe, nesta época do ano, é encontrado em locais de forte correnteza

Christian Hacke - christian@gazetasbs.com.br

Rio Negrinho

Basta esquentar um pouco o clima que os pescadores natos já tiram o pó dos equipamentos em direção a água. Nesta época, é comum ver a busca pelo dourado (Salminus Brasiliensis), peixe nativo da região da bacia do rio Paraná, de carne apreciada por muitos e brigador na hora de tirá-lo da água. Porém, conforme normativa do Ibama, sua pesca fica proibida a partir de sexta-feira (1º). 

A Instrução Normativa do Ibama que embasa a proibição é a de número 25, de primeiro de setembro de 2009, a qual estabelece o período de proteção à reprodução anual entre 1º de novembro e 28 de fevereiro, nas bacias do rio Paraná. A multa para quem for flagrado com um espécime pode chegar a R$ 100 mil.

O 3º Sargento da Polícia Militar Ambiental de Canoinhas, José Mário Vipievski Júnior, comenta que a determinação da proteção de peixes em período de defeso, ou desova, comumente chamado, está na lei 9605 de 1998. "A multa é de R$ 700 a R$ 100 mil, com acréscimo de R$ 20 por quilo ou fração do produto da pescaria, ou por espécime quando se tratar de produto de pesca para uso ornamental", explicou.

A partir do dia primeiro de março, a Polícia Militar Ambiental passa a não proibir a pesca do dourado na bacia do rio Paraná, em Santa Catarina. Porém, a fiscalização continua pautada no uso incorreto de materiais de pesca, como uso de redes e etc.

Confira mais detalhes sobre a proibição no jornal impresso desta sexta-feira (1º).

Todos os direitos reservados para A Gazeta. Reprodução sem autorização é proibida.

Ajude-nos a manter um jornalismo sério e com credibilidade. Textos e fotos estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Se quiser repassar a notícia, compartilhe o link.