Geral

04/11/2019 09:43

TRÂNSITO

Mudanças facilitam retirada de autorização para dirigir ciclomotores

Leonardo Celeski / Jornal A Gazeta / Arquivo

Sobreira detalha as mudanças na ACC

Matheus Müller - matheus@gazetasbs.com.br

São Bento do Sul

Desde o mês passado, não é preciso mais realizar aulas teóricas e práticas para retirar a chamada Autorização para Conduzir Ciclomotor (ACC), documento necessário para dirigir a popular “cinquentinha”, moto com até 50 cilindradas. A medida do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) condiciona apenas a aprovação do candidato nos exames teórico e prático para que ele possa pilotar tranquilamente o ciclomotor.

O delegado regional Odair Rogério Sobreira Xavier explica que a novidade é válida primeiramente para 12 meses, ou seja, até setembro de 2020. Em caso de reprovação no exame prático, o candidato deverá realizar aulas de cinco horas, sendo ao menos uma hora no período noturno. O interessado deve ter no mínimo 18 anos de idade e ser residente na cidade onde quer se habilitar.

Os ciclomotores são aqueles veículos de duas ou três rodas, geralmente com motor a gasolina, com capacidade de até cinquenta cilindradas e velocidade máxima de fabricação de até 50 km/h. Sobreira explica que a mudança inclui os chamados ciclo-elétricos, veículos com motor elétrico, potência máxima de 4 quilowatts, e velocidade máxima que não ultrapassa 50 km/h.

Estes veículos precisam ser registrados e licenciados normalmente pelo órgão de trânsito estadual, como qualquer outro carro. Além disso, os ciclomotores precisam ter espelho de ambos os lados, farol dianteiro, lanterna traseira, buzina e pneus que trazem segurança. Caso o motorista for flagrado sem a ACC, a penalidade é uma multa gravíssima, perdendo sete pontos na carteira, além de ter o veículo retido. Em relação às bicicletas e patinetes elétricos, as regras são diferentes.

Todos os direitos reservados para A Gazeta. Reprodução sem autorização é proibida.

Ajude-nos a manter um jornalismo sério e com credibilidade. Textos e fotos estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Se quiser repassar a notícia, compartilhe o link.