Geral

13/01/2020 11:39

SOLIDARIEDADE

Menino Ronei entra na terceira etapa do tratamento para combater o câncer

Layra Olsen / Jornal A Gazeta

Ronei com o seu pai, Sandro Nei

Layra Olsen - layra@gazetasbs.com.br

São Bento do Sul

Quando Ronei Ribeiro de Lima recebeu o diagnóstico, em 2015, sentiu-se frustrado. Precisou de acompanhamentos psicológico e psiquiátrico para aceitar a doença e enfrentar, mais uma vez, as sessões de quimioterapia. Hoje, o menino garante que está mais confiante e não vê a hora de retornar à escola. “Recebo mensagens dos meus amigos quase todos os dias. Alguns foram me visitar”, revela.

Enquanto aguarda autorização médica para retomar à sua rotina, ele usufrui do serviço de atendimento escolar dentro do Hospital Infantil Dr. Jeser Amarante Faria, em Joinville. Os conteúdos vistos em sala de aula são repassados pela Secretaria de Educação de São Bento. Se está em casa, recebe a visita de uma professora. O garoto de 12 anos ingressa no 7º ano e já sonha em ser farmacêutico.

Tratamento
Nesta segunda-feira (13), o menino entra na terceira etapa do tratamento para combater o câncer na medula óssea. Por isso, ficará internado por mais alguns dias. A expectativa é de que ele retorne para casa antes do fim de semana. O pai, Sandro Nei de Lima, diz que a família está confiante e acredita que ele vencerá mais essa batalha. Nos próximos dias, aliás, será feito um novo exame para averiguar a eficácia dos procedimentos. Mesmo assim, a previsão é que as sessões de quimioterapia se estendam por dois anos, sem interrupções.

Gastos e como ajudar

O transporte do garoto é viabilizado pela Secretaria de Saúde do município, assim como o tratamento, que é feito via Sistema Único de Saúde (SUS). Mesmo com esse aporte, Sandro tem se deparado com vários gastos extras, sobretudo relacionado à comida. “A alimentação dele mudou bastante”, ressalta. O menino não pode ingerir produtos com corantes e conservantes. Além disso, precisa de refeições sempre frescas. O que sobrou do almoço, por exemplo, não pode ser usado para a janta.

Diante disso, a família segue com uma campanha para arrecadar recursos. Atualmente, os custos mensais com o tratamento giram em torno dos R$ 1,1 mil, mas podem mudar a qualquer hora. “É imprevisível. Não sabemos o que pode acontecer”, comenta. 

Quem quiser contribuir com o tratamento de Ronei pode fazer doações diretamente nas contas-poupança abertas com o nome do garoto: agência 3885 e conta 5691-2 (Caixa Econômica Federal) ou agência 0674-2 e conta 61961-2 (Banco do Brasil). O CPF do menino é 123.079.269-41. Dúvidas podem ser sanadas com os pais do são-bentense através do telefone 99692-0602.

Mais informações sobre a história do garoto no jornal impresso desta segunda-feira (13).

Todos os direitos reservados para A Gazeta. Reprodução sem autorização é proibida.

Ajude-nos a manter um jornalismo sério e com credibilidade. Textos e fotos estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Se quiser repassar a notícia, compartilhe o link.