Segurança

04/08/2020 07:33

DESOBEDIÊNCIA

Homem foi baleado na perna durante agressão a policiais militares de Piên

Da redação - editoria@gazetasbs.com.br

Piên

Um caso de perturbação do sossego evoluiu para disparo de arma de fogo em Piên, no fim de semana, após os envolvidos se recusarem a acatar as ordens da Polícia Militar. Segundo relato da PM, uma guarnição foi até o Posto Asavel às 18h40, após denúncia de um carro com som alto no local. A equipe já havia notificado o veículo momentos antes, mas não conseguiu identificar o proprietário.

A PM então retornou ao local e conversou com Pabulo Henrique Klok, que abaixou o volume e se identificou como dono do veículo. Durante a conversa, mais três homens e uma mulher, todos visivelmente embriagados, se juntaram ao grupo, segundo o relato da PM. Os policiais orientaram para que o volume não fosse erguido novamente, momento em que Pabulo aumentou o som em volume muito alto e disse que não obedeceria a ordem dos militares.

Ao ser informado que seria levado ao destacamento pelo crime de desobediência, Pabulo consentiu, mas logo apareceu seu pai, Edilson, que não permitiu que o filho fosse conduzido, reagindo com socos e empurrões contra os policiais. Com a confusão, os outros envolvidos, identificados como Jackson Rubens Vaz de Lima, Debora Vaz de Lima e Laercio José Cabral, além de Pabulo, iniciaram agressões contra os dois policiais. Um deles foi derrubado e caiu no chão, momento em que Jackson tentou tirar sua arma do coldre.

Disparos
Ao ver o colega no chão prestes a perder a arma, o outro policial sacou a pistola e disparou duas vezes ao chão, mas os agressores não pararam. O soldado, novamente, disparou duas vezes ao chão e ouviu Pabulo dizer “me dá essa arma que eu mato você”, segundo relatou a PM. O policial deu dois disparos em Pabulo, atingindo a perna e a coxa, mas as agressões continuaram e a equipe não conseguiu acionar reforço ou atendimento médico, se retirando do local. Ainda segundo o relato, um dos policiais ouviu nova ameaça de Jackson, que disse que “aquilo não iria ficar assim”, ameaçando-o de morte.

Passado o tumulto, com apoio de guarnições de São Bento do Sul e Quitandinha, os policiais se deslocaram até o hospital e prenderam os envolvidos na ocorrência. Um dos policiais também precisou de atendimento médico, pois apresentava escoriações na mão direita e fortes dores no peito.

Todos os direitos reservados para A Gazeta. Reprodução sem autorização é proibida.

Ajude-nos a manter um jornalismo sério e com credibilidade. Textos e fotos estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Se quiser repassar a notícia, compartilhe o link.