Geral

22/11/2019 08:56

VERBA PÚBLICA

Fundação Hospitalar não pode pagar dívidas porque já está endividada

Christian Hacke / Jornal A Gazeta / Arquivo

Recentemente, Mariani participou da entrega simbólica do dinheiro ao diretor do hospital

Da redação - editoria@gazetasbs.com.br

Rio Negrinho

A Fundação Hospitalar de Rio Negrinho recebeu, recentemente, R$ 1,76 milhão em emendas parlamentares, sendo R$ 200 mil da deputada Alê Silva (PSL-MG) e o restante do então deputado federal Mauro Mariani. Como o hospital não possui as negativas (e não pode receber repasses diretamente), os valores são destinados aos cofres da Prefeitura, que então faz o repasse.

Mas, a verba está ‘travada’. Para receber a quantia, o hospital teve que apresentar um plano de trabalho para dizer o que fará com o dinheiro. Na explicação, o hospital cita que a prioridade é a quitação da dívida com impostos federais (como FGTS e INSS dos funcionários), as quais somam R$ 2,5 milhões.

O problema nesta questão é que a verba de Mariani foi destinada à unidade hospitalar via Fundo Municipal de Saúde e uma lei federal não permite que o valor seja utilizado para pagamento de dívidas e impostos. Agora, uma comissão formada por conselheiros do hospital e jurídico da Prefeitura estuda a melhor maneira de destravar esse valor e passar à entidade o quanto antes. Resumindo: a Fundação Hospitalar não pode receber o dinheiro para pagar as dívidas porque já está endividada.

A informação foi publicada na coluna Panorama Político desta sexta-feira (22).

Todos os direitos reservados para A Gazeta. Reprodução sem autorização é proibida.

Ajude-nos a manter um jornalismo sério e com credibilidade. Textos e fotos estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Se quiser repassar a notícia, compartilhe o link.