Geral

07/02/2014 14:48

Distribuição de lucros

Funcionários da W3Sat recebem 14º salário

Fabiano Kutach

Valdik Campos planeja quitar o IPVA de seu carro com o dinheiro extra.

Fabiano Kutach - fabiano@gazetasbs.com.br

Rio Negrinho

No dia 20 de fevereiro, os funcionários da W3Sat, de Rio Negrinho, receberão o 14º salário. O dinheiro extra é fruto de um projeto implantado há dois anos, na empresa, que premia os colaborares pelo desempenho da empresa. Chamado de Programa de Participação nos Resultados (PPR), ele tem por objetivo melhorar a produtividade e o ambiente de trabalho da empresa, por intermédio da busca de metas de produção. Ao atingir a meta, o funcionário recebe o incremento salarial, pago duas vezes ao longo do ano.

Conforme explica Helmut Weihermann, diretor da W3Sat, o PPR não visa só lucros, mas sim a melhoria do ambiente de trabalho da empresa. “Colocamos uma meta e vamos em busca desse resultado”, relata. Além da produtividade, buscada mediante as metas coletivas, há também metas individuais que devem ser alcançadas, que incluem observância ao programa 5S, assiduidade, pontualidade, além da participação em treinamentos oferecidos pela empresa. “Trabalhamos também outras áreas com os funcionários, como até mesmo o orçamento familiar. Desta forma, eles aprendem melhor a administrar o dinheiro que recebem e não trazem seus problemas para dentro da empresa, melhorando seu desempenho no ambiente de trabalho”, ressalta Weihermann.


A empresa


A W3Sat se instalou em 2010, em Rio Negrinho, após receber incentivos financeiros da Prefeitura. A partir de 2011, iniciou sua produção de antenas para a TV paga, tendo como principais clientes a Claro TV e a Algar Telecom. Ao longo de três anos de atuação, já tem contabilizada a produção de mais de 500 mil antenas, com uma média mensal de 40 mil. Atualmente, a empresa conta com 60 funcionários, e há planos concretos de crescimento a médio prazo.

Além do aumento da produção, o diretor explica que o projeto visa manter o funcionário no trabalho, evitando assim a rotatividade de colaboradores. “Eles veem que aqui terão mais oportunidade e não ficam trocando de emprego”, diz. “Além disso, ele terá chance de crescer junto com a empresa, visando uma carreira. Auxiliamos ainda no pagamento de 60% de cursos que ele esteja fazendo”, completa o diretor, ressaltando que tais cursos podem ser tanto na área técnica ou no ensino superior.


Ajuda

Valdik Campos, de 45 anos, é um dos funcionários que já fazem planos sobre a forma que irá gastar o dinheiro. “Vou pagar o IPVA do carro”, diz. Conforme ele, o valor é bem importante para o orçamento familiar. “Se não fosse ele, teria que tirar de outro lugar o valor”, ressalta. Há dois anos, na W3Sat, ele diz que é nítida a mudança no ambiente de trabalho desde a implantação do PPR. “Isso é um incentivo a mais para os colaboradores. Vemos uma melhor organização interna e, com o programa, todo mundo ganha”, reflete.

Nilvia Prussak Bronoski, de 29 anos, não vê a hora de receber o dinheiro extra, porém ainda não planejou de que forma irá gastá-lo. “Quero investir em alguma coisa, assim damos mais valor ainda a ele”, explica. Para ela, o programa é muito bom, pois incentiva os funcionários a buscar uma meta e, com isso, receber um retorno financeiro. Conforme ela, no setor em que trabalha (pré-montagem e embalagem), é perceptível o aumento na motivação dos colaboradores. “Buscamos atingir a meta, e isso para nós também é uma forma de reconhecimento”, sentencia.

Todos os direitos reservados para A Gazeta. Reprodução sem autorização é proibida.

Ajude-nos a manter um jornalismo sério e com credibilidade. Textos e fotos estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Se quiser repassar a notícia, compartilhe o link.