Geral

03/07/2020 08:32

PÓS-CICLONE

Família não tem dinheiro para conserto e busca ajuda para reconstrução

LAYRA OLSEN / JORNAL A GAZETA

Dois quartos do imóvel ficaram destelhados

Layra Olsen - layra@gazetasbs.com.br

São Bento do Sul

Ainda é possível ver os rastros deixados pelo ciclone. Parte do telhado da casa de Valmor Maia, situada no alto do bairro Centenário, ficou totalmente destruído. A força do vento era tanta que as telhas de eternit se despedaçaram. Sem dinheiro para fazer os devidos reparos, ele tenta encontrar uma saída para amenizar o problema.

As telhas cobriam dois quartos. Como a família é grande, são oito pessoas vivendo sob o mesmo teto, os são-bentenses foram obrigados a se amontoar na pequena sala. Felizmente, ninguém se machucou. “Foi só o susto”, diz. Logo depois do vendaval, Valmor recebeu uma lona doada pela Secretaria de Assistência Social, contudo, não é suficiente para fazer uma cobertura eficiente também para se proteger da chuva.

Esse não é o único contratempo enfrentado pelo aposentado. As paredes da casa estão precárias, a ponto de cair, tanto é que o imóvel já foi interditado duas vezes pela Defesa Civil. “Falaram que não poderíamos ficar, mas não deram outra solução. Não temos um parente que possa abrigar uma família grande como a nossa”, conta.

Ajude
Quem quiser contribuir com o caso, pode entrar em contato com o são-bentense pelo telefone 99241-9804. A sua residência fica na Rua Carlos Blodorn, 382, no bairro Centenário.

Todos os direitos reservados para A Gazeta. Reprodução sem autorização é proibida.

Ajude-nos a manter um jornalismo sério e com credibilidade. Textos e fotos estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Se quiser repassar a notícia, compartilhe o link.