Geral

Siga-nos nas redes sociais

05/02/2020 13:49

MEIO AMBIENTE

Desmatamento pode ser causa do vírus da febre amarela circular na região

ALEXANDRE CARVALHO / JORNAL A GAZETA

Gilmar atuar há 20 anos em Piên e nunca presenciou tantas mortes de macacos

Alexandre Carvalho - alexandre@gazetasbs.com.br

Piên

A Vigilância Sanitária e a Secretaria de Saúde de Piên confirmaram a febre amarela como a causa da morte de um bugio em Piên. A doença é transmitida por um mosquito que se alimenta do sangue de primatas e vive principalmente em áreas de mata. No caso silvestre, os transmissores são insetos do gênero Haemagogus e Sabethes. Nas cidades, é o Aedes aegypti infectado com o vírus que pode transmitir a doença. Vale lembrar que o último caso de febre amarela urbana foi registrada no Brasil em 1942.

Conforme o coordenador da Vigilância Sanitária em Piên, Gilmar Fabiano Nogueira, alguns dos 17 bugios encontrados mortos não foram encaminhados para exames porque estavam em estado avançado de decomposição. “Estes, que não dava para fazer a coleta, enterramos. Isso é uma recomendação da própria Regional de Saúde, em virtude do risco da carcaça do animal transmitir a doença para outras espécies. É importante salientar que os bugios quando vivos não transmitem a doença, eles, assim como os humanos, são vítimas”, ressaltou.

Para Gilmar, a maior preocupação é que os mosquitos responsáveis pela transmissão da febre amarela silvestre, isto é, aquela contraída em regiões de mata, acabem migrando para as cidades e comecem a picar os seres humanos. Por isso, ele reforçou que a única maneira de se prevenir contra a doença é a vacinação. “Especialistas que deram palestras para nós da vigilância em nossa Regional de Saúde, disseram que acreditam que o desmatamento na região da Amazônia seja a principal causa do vírus estar circulando em nossa região”, disse.

Gilmar lembrou que há alguns anos a febre amarela era uma doença que era quase que exclusivamente transmitida na região da selva amazônica. “Porém, com o desmatamento desenfreado que vem ocorrendo naquela região, alguns especialistas acreditam que os mosquitos acabaram migrando para outras regiões”, citou.

Quem encontrar macacos mortos na região deve imediatamente contatar com a Vigilância Sanitária de seu município, e não tocar no animal.

Os telefones são

  • São Bento do Sul 3635-2228
  • Rio Negrinho 3644-7163
  • Campo Alegre 3632-2408
  • Piên (41) 3632-1291

Todos os direitos reservados para A Gazeta. Reprodução sem autorização é proibida.

Ajude-nos a manter um jornalismo sério e com credibilidade. Textos e fotos estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Se quiser repassar a notícia, compartilhe o link.