Geral

13/08/2020 07:03

COMBATE AO CORONAVÍRUS

Del Olmo explica como tratamento com cloroquina funciona em São Bento

DIVULGAÇÃO

Secretário falou em evento do Núcleo de Saúde e Segurança da Acisbs

Elvis Lozeiko - elvis@gazetasbs.com.br

São Bento do Sul

Organizado pelo Núcleo de Saúde e Segurança da Associação Empresarial de São Bento do Sul (Acisbs), bate-papo transmitido pela internet na manhã de quarta-feira (12) contou com a participação do secretário municipal de Saúde, Manuel Del Olmo. Em determinado momento da conversa, o secretário foi questionado sobre o uso de determinados medicamentos no tratamento precoce da Covid-19.

Gerente de Recursos Humanos da Condor e integrante do Núcleo de Profissionais de Recursos Humanos da Acisbs, Cleison Adinon Alves perguntou a Del Olmo qual a posição oficial do poder público com relação a medicamentos como a cloroquina e a hidroxicloroquina, envoltos em polêmicas. “Em minha opinião pessoal, vejo muitos discursos políticos e utópicos por não haver comprovação científica”, relatou Cleison.

Resumidamente, segundo Del Olmo, o protocolo é o seguinte: se o médico não quer receitá-los e o paciente também não quer, “nada feito”, como definiu o secretário; se o médico quer receitá-los, mas o paciente não quer aceitar, deve-se respeitar o pedido do paciente; se o paciente quiser, mas o médico não quer oferecer a receita, o paciente deve procurar o posto de saúde central para o profissional receitar os medicamentos. “Simples assim”, declarou o secretário.

De acordo com Del Olmo, é dessa forma que o tratamento precoce (sintomas leves) com cloroquina e derivados está funcionando em São Bento do Sul, conforme protocolo do Ministério da Saúde e do governo estadual. O poder público, porém, tem feito testes de eletrocardiograma para acompanhar eventuais efeitos colaterais.

Confira todos os detalhes do bate-papo no jornal impresso desta quinta-feira (13).

Todos os direitos reservados para A Gazeta. Reprodução sem autorização é proibida.

Ajude-nos a manter um jornalismo sério e com credibilidade. Textos e fotos estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Se quiser repassar a notícia, compartilhe o link.