Geral

20/11/2020 11:41

ACESSIBILIDADE

Deficientes visuais aprovam informações em braile no Jardim dos Imigrantes

ELVIS LOZEIKO / JORNAL A GAZETA

Sirlene destaca a importância de garantir a leitura do mundo pelo toque

Elvis Lozeiko - elvis@gazetasbs.com.br

São Bento do Sul

Quando se fala em acessibilidade, normalmente a primeira coisa que vem à mente é uma rampa para cadeirantes. Claro que se trata de um item extremamente importante, não só para usuários de cadeiras de rodas, mas também para idosos, por exemplo. Porém, a acessibilidade é algo mais amplo. Na Praça Jardim dos Imigrantes (ex-Praça Getúlio Vargas, no Centro de São Bento) há um exemplo disto.

Foram instalados mapas táteis, com identificação em braile de pontos como o coreto, os sanitários, as áreas de estar, a Associação Amigos do Artesanato (AMA) e o parquinho infantil, além da localização de vias próximas, como as ruas Barão do Rio Branco e Jorge Lacerda e a Travessa José Zipperer, e mesmo de órgãos como a Prefeitura e o Departamento Municipal de Turismo. No recém inaugurado Ecoparque do Samae, na Avenida dos Imigrantes, também há identificação tátil dos atrativos.

Integrante da Associação de Deficientes Visuais de São Bento do Sul (ADV/SBS), Larissa Gebien Henkels esteve na praça verificando. Ela explicou que o sistema permite combinações entre os pontos, criando letras, palavras e números. “A única coisa que difere o braile da escrita é a caneta”, resumiu. A presidente da ADV/SBS, Sirlene Rocha, destaca a relevância das informações em braile em São Bento do Sul. “Estas inscrições são muito importantes para nós, porque não tem outro jeito de lermos o mundo senão através do toque”, explica.

Todos os direitos reservados para A Gazeta. Reprodução sem autorização é proibida.

Ajude-nos a manter um jornalismo sério e com credibilidade. Textos e fotos estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Se quiser repassar a notícia, compartilhe o link.