Segurança

15/10/2020 13:54

JÚRI POPULAR

Condenado a mais de 5 anos de prisão por tentativa de homicídio no Alpestre

ARQUIVO / JORNAL A GAZETA

Tribunal do Júri se reuniu na Comarca de São Bento do Sul, sem presença de público

Da redação - editoria@gazetasbs.com.br

São Bento do Sul

Após 11 horas de julgamento, Josinei de Lima dos Santos, o “Negão”, foi condenado à pena de 5 anos e 3 meses, em regime fechado, pelo Tribunal do Júri da Comarca de São Bento do Sul. O Conselho de Sentença, em votação secreta, decidiu, por maioria, que o réu de fato desferiu disparos de arma de fogo contra L. S. de forma dolosa, ou seja, intencionalmente.

Os jurados negaram a absolvição do réu e não acataram a tese da defesa de desclassificação para o crime de lesões corporais, enquadrando-o na prática de tentativa de homicídio por motivo torpe e com dificultando a defesa da vítima na ocorrência registrada há dois anos, no Loteamento Alpestre.

Ao acolher a decisão do conselho, a juíza substituta Olívia Carolina Germano dos Santos relatou que a prisão de Negão é necessária “para assegurar a ordem pública, uma vez que o acusado é reincidente e possui caráter voltado a práticas delituosas”, conforme suas palavras. Olívia Carolina determinou, em seguida, a expedição do Processo de Execução Penal (PEC) provisório, pois cabe recurso à decisão.

O caso
A sessão do Tribunal do Júri julgou um caso ocorrido no dia 4 de outubro de 2018. Na ocasião, segundo o Ministério Público (MP), a vítima L. estava em sua casa, no Loteamento Alpestre, quando três pessoas – Negão entre elas – chegaram e iniciaram uma discussão. Consta que L. estava queimando um colchão e teria “chamado a polícia no bairro”, certa vez. De acordo com o MP, logo em seguida foram efetuados quatro disparos, apenas um deles acertando a vítima, no antebraço. Uma testemunha sigilosa identificou o réu como autor dos disparos.

Relembre mais detalhes sobre o caso no jornal impresso desta quinta-feira (15).

Todos os direitos reservados para A Gazeta. Reprodução sem autorização é proibida.

Ajude-nos a manter um jornalismo sério e com credibilidade. Textos e fotos estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Se quiser repassar a notícia, compartilhe o link.