Política

19/11/2020 11:26

TRANSIÇÃO

Caio e Pablo projetam ações para Saúde de Rio Negrinho com novo governo

CHRISTIAN HACKE / JORNAL A GAZETA

Pablo (e) e Caio (d) estiveram visitando a sede de A Gazeta

Christian Hacke - christian@gazetasbs.com.br

Rio Negrinho

O prefeito eleito de Rio Negrinho, Caio Treml (PL), visitou A Gazeta nesta quarta-feira (18), em São Bento do Sul. Ao lado do vice-prefeito eleito, Pablo Ribeiro (PL), e do vereador Ronei Lovemberger (PSD), Caio falou sobre os próximos passos para assumir a Prefeitura no início do próximo ano. Ele comentou sobre os pedidos da comunidade, as prioridades do seu governo e como pretende administrar a cidade.

A principal solicitação da comunidade, conforme os eleitos, está na área da saúde. "O apelo do povo é a saúde, outro motivo da gente ter ido tão bem. Rio Negrinho pode esperar tudo, equipamentos dentro do hospital, novos profissionais especializados, agilidade nas consultas, implantação de metas e produtividade para médicos e odontólogos. Não tem porque o cara ficar a manhã inteira pra atender 20 pessoas e depois ficar olhando pra parede, se posso fazer ele dobrar o número de atendimentos e sair mais cedo para almoçar em casa", frisou Caio.

Segundo Caio e Pablo, fortalecer o atendimento da Fundação Hospitalar também é uma das bandeiras da nova administração, até porque um é médico e outro é enfermeiro e conhecem bem o setor. "Já estamos fechando parceria com o hospital de São Bento do Sul no serviço de urologia. Hoje leva-se um ano pro cara tirar uma pedra no rim, sendo que em São Bento tem todo o equipamento. Vou sentar com o Tomazini (prefeito eleito de São Bento) pra gente bancar esse sobreaviso, que hoje é uma mixaria frente ao que a gente gasta mandando pra fora", explicou.

Atendimento estendido
Treml citou que há contatos com Mafra para ter atendimento especializado dentro do Posto Central ao menos uma vez na semana. "Queremos também atendimento estendido nos postos de saúde até às 19 horas. O cara sai da fábrica às 17 horas e precisa esperar até o outro dia de manhã, e perde o dia. Isso não é só a comunidade, os empresários pediram também. Estender as creches, que fecham 17 horas. O empregado sai 17 horas e precisa cruzar do Industrial Norte até a Quitandinha pra pegar o filho. Sai mais cedo, perde hora, perde o domingo", falou. Ele ressalta que sua administração será focada nas coisas básicas, sem promessas loucas.

Confira todos os detalhes sobre a entrevista no jornal impresso desta quinta-feira (19).

Todos os direitos reservados para A Gazeta. Reprodução sem autorização é proibida.

Ajude-nos a manter um jornalismo sério e com credibilidade. Textos e fotos estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Se quiser repassar a notícia, compartilhe o link.