Geral

04/11/2019 10:40

TRÂNSITO

Bicicletas e patinetes elétricos: saiba o que é permitido e proibido

Divulgação

Veículos não necessitam de autorização para circular em vias públicas

Matheus Müller - matheus@gazetasbs.com.br

São Bento do Sul

Recentemente, algumas mudanças facilitaram a retirada de ACC para dirigir ciclomotores, mas o delegado regional Odair Rogério Sobreira Xavier ressalta que não se deve confundir o ciclomotor e o ciclo-elétrico com a bicicleta elétrica - seja com motor de fábrica ou colocado depois - ou ainda com o patinete elétrico. “Para esses dois últimos tipos de veículos não se exige registro e licenciamento no órgão estadual de trânsito e nem a autorização para conduzir em via pública, desde que observadas algumas regras especiais”, detalha.

A bicicleta elétrica pode trafegar na ciclovia ou ciclofaixa desde que tenha potência de até 350 watts, velocidade máxima de 25 km/h e motor que só funcione quando o condutor acionar junto o pedal, sem acelerador. É obrigatório ter espelhos, velocímetro, sinalização noturna e pneus com segurança, além do condutor estar com capacete.

Já o patinete elétrico pode circular livremente nas áreas de circulação de pedestres, desde que não ultrapasse 6 km/h, ou nas ciclovias e ciclofaixas, se não ultrapassar 20 km/h. Ele também precisa ter medidor de velocidade, velocímetro, campainha e sinalização noturna.

Como não são registrados no órgão estadual, o delegado recomenda guardar as notas fiscais ou outro documento do fabricante com as características do veículo. “Eles deverão ser apresentados em caso de fiscalização, a fim de evitar a apreensão. Sua circulação é regulamentada pelo próprio município, que poderá inclusive exigir habilitação e impor restrição de circulação nas vias públicas a fim de garantir a segurança do condutor e das demais pessoas”, completa.

Todos os direitos reservados para A Gazeta. Reprodução sem autorização é proibida.

Ajude-nos a manter um jornalismo sério e com credibilidade. Textos e fotos estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Se quiser repassar a notícia, compartilhe o link.