Política

11/09/2020 10:00

POLÊMICA

Afinal, Gilberto Dranka pode ou não ser pré-candidato a prefeito de Piên?

ARQUIVO / JORNAL A GAZETA

Dranka foi prefeito por dois mandatos consecutivos, de 2009 a 2016

Da redação - editoria@gazetasbs.com.br

Piên

A notícia de que Gilberto Dranka é pré-candidato a prefeito de Piên vem causando uma enorme repercussão na região. A polêmica é porque o ex-prefeito é acusado de ser mandante de dois assassinatos no município em 2016, e inclusive está em liberdade provisória enquanto aguarda o julgamento, que ainda não possui data marcada. Ele chegou a ficar preso por cerca de um ano, mas foi solto em fevereiro de 2018.

Gilberto é acusado de ser o mandante do assassinato do prefeito eleito Loir Dreveck, em 2016. Ele responde ainda por outra morte, duas semanas antes, do técnico em segurança Genésio de Almeida, assassinado por ter sido confundido com Loir. Dranka afirma ser inocente.

Apesar de todo rolo policial, nada impede que ele possa ser candidato, afinal, o julgamento ainda não ocorreu. Dranka possui uma outra condenação em julho de 2018, por porte ilegal de arma, quando teria ameaçado um servidor efetivo da Prefeitura por desentendimentos políticos. Porém, além de recorrer da decisão, pode reverter a pena, por ser réu primário.

O ex-prefeito também foi condenado em outra da ação do Ministério Público, em 2018, pelo desvio de R$ 306 mil em cargas de pedras, na época em que ainda era prefeito, processo que também recorreu. Como ainda não foi julgado pelos assassinatos de Loir e Genésio, e seus recursos ainda pendem de decisões, não pode ser considerado "ficha suja" e, com isso, pode se candidatar.

Leia mais detalhes sobre a pré-candidatura no jornal impresso desta sexta-feira (11).

Todos os direitos reservados para A Gazeta. Reprodução sem autorização é proibida.

Ajude-nos a manter um jornalismo sério e com credibilidade. Textos e fotos estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Se quiser repassar a notícia, compartilhe o link.