O secretário da Fazenda de Santa Catarina, Paulo Eli, ainda vê o Brasil em recessão, se comparado há alguns anos. “Em 2014, o País comprou 3,3 milhões de automóveis, contra 2,7 milhões no ano passado. Ainda estamos tecnicamente em recessão. Em 2017 afundamos, e estamos subindo em 2018 e 2019. Talvez chegaremos em 2022 no mesmo nível que estávamos em 2014”, estimou, durante sua passagem pela Acisbs, recentemente. Ele também falou em descentralização política, pois tudo o que acontece está em Florianópolis. “Muita gente poderia estar no interior. Por exemplo, por que Cidasc e Epagri estão na Capital? Lá não se planta um pé de cebola. Não tem sentido... Precisa fazer a redistribuição. O centralismo político e tributário continuam em Brasília e Florianópolis”, diz.
Fechar